a

Facebook

Twitter

Copyright 2017 DFLAW Advocacia Tributária Empresarial.
Todos os direitos reservados.

8:00 - 18:00

de Segunda à Sexta.

(11) 3504.0414

Fale conosco

Facebook

Twitter

Menu
 

CARF. Divergência. Crédito de PIS e Cofins sobre seguro obrigatório de carga.

DFLAW Advocacia Tributária e Empresarial > Direito Tributário  > Impostos Federais  > PIS/COFINS  > CARF. Divergência. Crédito de PIS e Cofins sobre seguro obrigatório de carga.

CARF. Divergência. Crédito de PIS e Cofins sobre seguro obrigatório de carga.

Toda operação de transporte deve ser assegurada com o seguro contra perdas ou danos causados à carga. De fato, o seguro RCTR-C – Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Cargas é obrigatório, por força da Lei nº 8.374/1991, que acrescentou a alínea “m”, ao art. 20 do Decreto-Lei nº 73/1966.

Referida norma foi regulamenta pelo Decreto nº 61.867/67, no art. 10º, que estabelece:

“As pessoas físicas ou jurídicas, de direito público ou privado que se incumbirem do transporte de carga, são obrigadas a contratar seguro de responsabilidade civil em garantia das perdas e danos sobrevindos à carga que lhes tenha sido confiada para transporte, contra conhecimento ou nota de embarque”.

Desta forma, o RCTR-C é obrigatório, pois os transportadores não tem a opção de não fazê-lo. Por essa razão o referido seguro, com certeza deve ser considerado insumo para fins de desconto de créditos de PIS e Cofins.

De se salientar que isto já foi confirmado pela a Câmara Superior de Recursos Fiscais. Segundo o voto vencedor “o seguro obrigatório de cargas é típico insumo utilizado na prestação se serviços… Ademais, o seguro é contratado pra esse fim específico e se exaure com o final da prestação do serviço…”

Eis a ementa do julgado:

“COFINS. SEGURO DE CARGAS. INSUMO. O seguro obrigatório pago pela transportadora de cargas é considerado insumo na prestação de serviços de transporte de cargas, para fins de apuração de crédito da Cofins. Recurso Especial do Procurador Negado” (Processo 10932.000017/2005-12, Recurso Especial do Procurador, Data da Sessão 25/03/2015, Relator Henrique Pinheiro Torres, nº Acórdão 9303-003.309)

Contudo, não se pode deixar de mencionar que essa matéria não está pacificada no âmbito do CARF. Depois do julgado mencionado já é possível identificar outras decisões em sentido contrário. Nesse sentido:

“(…) INCIDÊNCIA NÃO-CUMULATIVA. DIREITO DE CRÉDITO. INSUMOS UTILIZADOS NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO Não geram crédito para efeito do regime não-cumulativo da Cofins, os gastos relativos a manutenção de atividades administrativas e seguros (…)”. (Número do Processo 15586.720704/2014-40, Recurso Voluntario, Data da Sessão 21/06/2016, Relator Luiz Augusto do Couto Chagas, Acórdão 3301-002.995).

Não obstante, a DFLAW entende que o primeiro julgado deverá prevalecer, pelas razões mencionadas. Assim, é prudente que as empresas façam o contingenciamento do crédito passível de recuperação em relação aos últimos cinco (05) anos.

No Comments

Leave a Comment

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Pular para a barra de ferramentas