a

Facebook

Twitter

Copyright 2017 DFLAW Advocacia Tributária Empresarial.
Todos os direitos reservados.

8:00 - 18:00

de Segunda à Sexta.

(11) 3504.0414

Fale conosco

Facebook

Twitter

Menu
 

No Jornal CPA da próxima 3ª feira, será abordado o tema “Redução de base de cálculo para produtos alimentícios e perfumaria – Novas regras para 2017”

DFLAW Advocacia Tributária e Empresarial > DFLAW e CPA  > CPA Fiscal  > No Jornal CPA da próxima 3ª feira, será abordado o tema “Redução de base de cálculo para produtos alimentícios e perfumaria – Novas regras para 2017”

No Jornal CPA da próxima 3ª feira, será abordado o tema “Redução de base de cálculo para produtos alimentícios e perfumaria – Novas regras para 2017”

DFLAW Advocacia Tributária e Empresarial informativ-fiscal No Jornal CPA da próxima 3ª feira, será abordado o tema “Redução de base de cálculo para produtos alimentícios e perfumaria – Novas regras para 2017” CPA Fiscal DFLAW e CPA    %Site Name - advocacia tributária.

%name No Jornal CPA da próxima 3ª feira, será abordado o tema “Redução de base de cálculo para produtos alimentícios e perfumaria – Novas regras para 2017”

Ano XV nº 04 – 27.01.2017 – Divulgação interna da CPA Informações Empresariais.

%name No Jornal CPA da próxima 3ª feira, será abordado o tema “Redução de base de cálculo para produtos alimentícios e perfumaria – Novas regras para 2017”

No Jornal CPA da próxima 3ª feira, será abordado o tema “Redução de base de cálculo para produtos alimentícios e perfumaria – Novas regras para 2017”

No Jornal CPA desta 3ª feira, dia 31.01.2017, ao vivo, no Canal CPA, a partir das 8h30, o consultor José A. Fogaça Neto discorrerá sobre “Redução de base de cálculo para produtos alimentícios e perfumaria – Novas regras para 2017”.

Além dessa matéria, serão abordados os seguintes assuntos: nas mãos dos municípios, ISS sobre streaming incomoda menos que ICMS; exigência do ITCMD só após registro na Junta Comercial; nova lei do ISS acirra guerra, mas tem falha; e Fraudadores enviam cobranças indevidas para MEIs.

O evento será transmitido ao vivo, no Canal CPA, e ficará disponível, posteriormente, no site CPA.

No Jornal CPA do dia 02.02.2017, será abordado o tema “ICMS/SP – Artigo 327-J do RICMS/SP – Diferimentos e suspensão do ICMS”

No Jornal CPA desta 5ª feira, dia 02.02.2017, ao vivo no Canal CPA, a partir das 8h30, a consultora Fernanda Silva discorrerá sobre “ICMS/SP – Artigo 327-J do RICMS/SP – Diferimentos e suspensão do ICMS”.

Além dessa matéria serão abordados os seguintes assuntos: lei proíbe prefeituras de conceder benefícios para redução do ISS; LC 157/2016 efetiva aprimoramentos nas normas gerais do ISS; fim da guerra fiscal é possível; e argumentos mostram que imposto sobre serviços de streamings é inconstitucional.

O evento será transmitido ao vivo, no Canal CPA, e ficará disponível posteriormente no site CPA.

%name No Jornal CPA da próxima 3ª feira, será abordado o tema “Redução de base de cálculo para produtos alimentícios e perfumaria – Novas regras para 2017”

Nova lei do ISS acalma guerra fiscal entre municípios, mas não extingue

Uma das mudanças trazidas pela Lei Complementar nº 157/2016, editada no fim do ano passado, foi o estabelecimento da alíquota mínima de 2% para o recolhimento do Imposto Sobre Serviços (ISS). Agora, além da vedação à redução de alíquotas pelos fiscos municipais, o que já estava previsto na lei anterior, estão proibidas também quaisquer formas de redução do total a pagar por meio da diminuição da base de cálculo, estratégia que algumas cidades usaram para atrair empresas.

A vedação se alinha com o que decidiu o Supremo Tribunal Federal (STF), em setembro de 2016, quando entendeu que o efeito financeiro da redução de alíquota, vedada pelo artigo 88 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT), é o mesmo da redução de base de cálculo.

Isso implica, por exemplo, o fim de benefícios como o desconto, na base de cálculo do ISS, de alguns tributos.

A alteração trazida pela lei 157/2016 foi uma norma de reforço. O objetivo do legislador é fechar, de uma vez por todas, a porta para qualquer benefício fiscal que promova guerra fiscal, com alíquotas abaixo do mínimo de 2% para o ISS.

No entanto, a porta não foi totalmente fechada. A guerra fiscal entre municípios vai continuar existindo. Pelo menos, acima do patamar de 2%. Além disso, ainda há formas de redução de tributação não alcançadas pela nova lei. Os financiamentos públicos, por exemplo, não estão contemplados pela vedação da lei 157/2016, deixando a brecha para a guerra fiscal, que continuará em relação a outros benefícios, tais como a isenção de IPTU e a disponibilização gratuita de terrenos.

A mudança já preocupa contribuintes. Afinal, o que acontecerá com quem mudou a sede e fez investimentos na nova localidade, inclusive trazendo contrapartidas para o novo município?

Ao lado desses contribuintes está, em primeiro lugar, o Código Tributário Nacional. É plausível sustentar, em juízo, a impossibilidade de revogação de benefícios com base no CTN. Ou seja, isenções interpretadas como benefício fiscal não podem ser revogadas a qualquer tempo. Além disso, mesmo com a proibição, é possível que uma empresa que goze de redução da base de cálculo do ISS mantenha o benefício mesmo após a nova lei. Desde que comprove ter cumprido uma contrapartida.

Sebrae alerta microempreendedores sobre fraudes

Microempreendedores Individuais (MEI) devem ficar atentos a cobranças indevidas enviadas pelos Correios ou por e-mail. No início do ano, aumenta a incidência de vítimas que caem no “golpe do boleto”. O Sebrae alerta os empreendedores e dá dicas para quem não quer sair no prejuízo.

Com o acúmulo de contas que vencem no mês de janeiro, aumenta o número de reclamações de MEI e empreendedores recém-formalizados que recebem cobranças indevidas. “A maioria são boletos para associação de entidades, ofertas de serviços (como divulgação do negócio) e até mesmo contribuição mensal falsa. Nos dois primeiros casos, são cobranças de serviços e associações que não são obrigatórias. Já a falsificação é crime de estelionato e o empreendedor pode fazer a denúncia no Ministério Público”, explica a analista de Políticas Públicas do Sebrae Minas, Ariane Vilhena.

Desde o início de 2016, que o DAS não é mais enviado pelos Correios. Para imprimir o documento, o MEI tem duas opções: acessar o Portal do Empreendedor, ou, procurar o Ponto de Atendimento do Sebrae mais próximo.

O MEI é isento dos impostos federais (Imposto de Renda, PIS, Cofins, IPI e CSLL) e paga apenas o DAS, que tem custo fixo mensal – variando de acordo com o setor de atuação do empreendedor. Com o reajuste do salário mínimo, os valores a serem pagos pelo MEI em 2017 mudaram para:  R$ 47,85 (comércio e/ou indústria), R$ 51,85 (prestação de serviços) ou R$ 52,85 (comércio e/ou indústria com serviços).

No caso de boletos fraudulentos, para ludibriar os empreendedores e dar ainda mais realidade ao golpe, os estelionatários usam nomes falsos de instituições e entidades oficiais, como associações, sindicatos, prestadoras de serviços e até bancos. “Tanto os boletos fraudulentos como os indevidos costumam apresentar artigos da Constituição Federal que citam prováveis punições caso o valor cobrado não seja quitado”, afirma a analista.

Outra característica é a data de vencimento do documento. Preocupados com o curto prazo de vencimento e convencidos de que se trata de um tributo fundamental para manter a empresa na legalidade, muitos empreendedores não pensam duas vezes em liquidar a cobrança. “Na pressa, ou com medo de multas, os empreendedores acabam pagando antes de se informar e acabam não conseguindo reaver o dinheiro”, justifica a especialista.

%name No Jornal CPA da próxima 3ª feira, será abordado o tema “Redução de base de cálculo para produtos alimentícios e perfumaria – Novas regras para 2017”

ISSQN – Alíquota mínima e regras para concessões de benefícios

O Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN), previsto na Constituição Federal no Artigo 156, III, é tributo de competência municipal, cuja instituição, por qualquer um dos mais de 5 mil municípios brasileiros, tem que, ou deveria, respeitar os limites delineados pela Lei Complementar nº 116/2003.

A Lei Complementar nº 116/2003 foi objeto de importantes alterações, realizadas no final do ano de 2016, através da Lei Complementar nº 157/2016, publicada no Diário Oficial da União de 30.12.2016.

Uma das mudanças foi a determinação de que a alíquota mínima do imposto é de 2%, bem como fica vedada a concessão de isenções, incentivos ou benefícios tributários ou financeiros, inclusive de redução de base de cálculo ou de crédito presumido ou outorgado, ou qualquer outra forma que resulte, direta ou indiretamente, em carga tributária menor que a decorrente da aplicação da alíquota mínima de 2%. A vedação não se aplica aos serviços previstos nos subitens 7.02 (construção civil), 7.05 (reforma) e 16.01 (transporte intramunicipal) da lista anexa à Lei Complementar.

A alíquota mínima já constava no artigo 88 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT) da Constituição Federal, mas, mesmo assim, as sucessivas concessões de benefícios e redução ensejavam a guerra fiscal entre os municípios. Nesse cenário, em setembro/2016, o Supremo Tribunal Federal considerou inconstitucional a lei de Poá (SP), que reduzia a base de cálculo do imposto. O Tribunal considerou ser incompatível “medida fiscal que resulte indiretamente na redução da alíquota mínima estabelecida pelo artigo 88 do ADCT”.

Com posicionamento do STF e a nova redação da Lei Complementar, espera-se que esse tipo de demanda não seja mais levada à Justiça, afinal a decisão será a mesma, qual seja, a inconstitucionalidade da norma que prevê a redução da alíquota.

Além de estabelecer a alíquota mínima, a Lei Complementar também contém regra que determina a nulidade da lei ou o ato do Município ou do Distrito Federal que não respeite as disposições relativas à alíquota mínima de 2%, no caso de serviço prestado a tomador ou intermediário localizado em município diverso daquele onde está localizado o prestador do serviço.

A nulidade da cobrança inferior a 2% gera para o prestador do serviço o direito à restituição do valor efetivamente pago do ISS.

A utilização da alíquota ou carga tributária inferior a 2%, além de gerar nulidade do ato legal,  direito à restituição para o prestador, também constituirá ato de improbidade administrativa, nos termos  dos artigos 10-A e 12, IV,  ambos da Lei de Improbidade Administrativa – Lei 8.429/1992, na redação dada pela Lei Complementar nº 157/2016, que pode acarretar aos chefes dos Poderes Executivo e Legislativo municipal a perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de 5 (cinco) a 8 (oito) anos e multa civil de até 3 (três) vezes o valor do benefício financeiro ou tributário concedido.

O artigo 6º da Lei Complementar n.º 157/2016 determina que os municípios deverão, no prazo de 1 (um) ano contado da publicação da Lei Complementar (30.12.2016), revogar os dispositivos que contrariem o disposto no caput e no § 1º do art. 8º-A da Lei Complementar nº 116/2003, que fixa a alíquota mínima de 2%.

Nos termos do artigo 156, § 3º, I e III da Constituição Federal, cabe à Lei Complementar fixar as alíquotas máximas e mínimas do ISS, bem como regular a forma e as condições como isenções, incentivos e benefícios fiscais serão concedidos e revogados. Observa-se que as alterações promovidas na Lei Complementar nº 116/2013, observam a regra constitucional.

A alteração promovida revela um importante interesse e passo na busca do fim da guerra fiscal, mas não impede que os municípios exercitem a concorrência, ou seja, para efeitos de tributação, podem ser instituídas as alíquotas de 2%, 3%, 4% ou 5%, para quaisquer dos serviços previstos na lista anexa à Lei Complementar nº 116/2003, e tal providência é legítima.

José A. Fogaça Neto

Consultor – Área IPI, ICMS ISS e Outros

 

%name No Jornal CPA da próxima 3ª feira, será abordado o tema “Redução de base de cálculo para produtos alimentícios e perfumaria – Novas regras para 2017”

ICMS – Combustíveis – Preço Médio Ponderado ao Consumidor Final (PMPF)

O Ato COTEPE/PMPF nº 2/2017, publicado no DOU de 24.01.2017, divulga o preço médio ponderado a consumidor final (PMPF) de combustíveis, para os combustíveis referidos nos convênios ICMS nº 138/2006 e nº 110/2007, a partir de 1º de fevereiro de 2017.

ICMS – Substituição tributária – Margem de Valor Agregado nas operações com combustíveis e lubrificantes, derivados ou não de petróleo

O Ato COTEPE/MVA nº 2/2017, publicado no DOU de 24.01.2017, altera as margens de valor agregado indicadas nas Tabelas I, II, III, IV, V, VI, VII, VIII, IX, X, XI, XII e XIII, do Ato COTEPE/ICMS nº 42/2013, que o Estado de São Paulo, adotará a partir de 1º de fevereiro de 2017.

ICMS/SP – Base de cálculo – Substituição tributária de cerveja e chope – Divulgação dos valores atualizados

A Portaria CAT nº 121/2016, publicada no DOE SP de 27.12.2016, que divulga valores atualizados para base de cálculo da substituição tributária de cerveja e chope, conforme pesquisas elaboradas pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE) e pela Fundação de Ciência, Tecnologia e Ensino (FUNDACTE), foi republicada por conter incorreções no DOE SP de 21.01.2017.

ICMS/SP – Escrituração Fiscal Digital – EFD – Alteração da Portaria CAT nº 147/2009

A Portaria CAT nº 4/2017, publicada no DOE SP de 19.01.2017, altera a Portaria CAT nº 147/2009, que disciplina os procedimentos a serem adotados para fins da Escrituração Fiscal Digital (EFD) pelos contribuintes do ICMS.

ICMS/SP – Base de cálculo do imposto na saída de ovos de páscoa de chocolate – Artigo 313-X do RICMS

A Portaria CAT nº 5/2017, publicada no DOE SP de 19.01.2017, altera a Portaria CAT nº 124/2016, que estabelece a base de cálculo do imposto na saída de ovos de páscoa de chocolate, a que se refere o artigo 313-X do Regulamento do ICMS.

 

%name No Jornal CPA da próxima 3ª feira, será abordado o tema “Redução de base de cálculo para produtos alimentícios e perfumaria – Novas regras para 2017”

CF-e-SAT – O que é o Extrato do CF-e-SAT?

O extrato do CF-e-SAT é uma cópia simplificada do documento eletrônico, servindo basicamente para controle das aquisições pelo consumidor. Nele, existe a chave de acesso que possibilita a consulta do respectivo documento eletrônico no site da Secretaria da Fazenda, bem como um código do tipo QRCODE que possibilitará a checagem da autenticidade do extrato por meio de telefones celulares compatíveis com a tecnologia.

%name No Jornal CPA da próxima 3ª feira, será abordado o tema “Redução de base de cálculo para produtos alimentícios e perfumaria – Novas regras para 2017”

Agenda Tributária – Estadual (Período de 28.01.2017 à 03.02.2017)

Dia 30 (segunda-feira)

Obrigação

Fato Gerador

Informações Complementares

ICMS –

DeSTDA

Dezembro/

2016

Declaração de Substituição Tributária, Diferencial de Alíquota e Antecipação (DeSTDA)

 

Apresentação, por cada estabelecimento de contribuinte, ainda que estabelecido em outra Unidade da Federação, inscrito no Cadastro de Contribuintes do ICMS do Estado de SP e sujeito às normas do Simples Nacional, exceto o Microempreendedor Individual (MEI), por meio da Internet, com as informações relativas às operações e prestações praticadas no mês subsequente ao de referência.

Dia 31 (terça-feira)

Obrigação

Fato Gerador

Informações Complementares

ICMS –

Crédito acumulado – Arquivo digital

Dezembro/

2016

Crédito acumulado – Arquivo digital – Apresentação

 

O estabelecimento gerador de crédito acumulado nos termos do art. 71 do RICMS-SP/2000, para a sua apropriação e utilização deverá compor mensalmente o arquivo digital de acordo com as disposições dos anexos da Portaria CAT nº 83/2009 e transmiti-lo à Secretaria da Fazenda até o último dia útil do mês subsequente ao período a que se referir.

ICMS –

Arquivo digital relativo às informações fiscais a serem prestadas por produtores rurais

Dezembro/

2016

Produtor rural – Arquivo digital relativo às informações fiscais

 

O produtor rural, por seu estabelecimento, deverá enviar informações à Secretaria da Fazenda, por meio e arquivo digital, a partir da data do credenciamento no Sistema e-CredRural, com informações relativas ao mês anterior ao de sua apresentação, mediante a utilização do programa de Transmissão Eletrônica de

Documentos (TED).

 

Nota

 

O parágrafo único do art. 210 do Código Tributário Nacional (CTN) estabelece que os prazos só se iniciam ou vencem em dia de expediente normal na repartição em que deva ser praticado o ato. Essa obrigação é cumprida por meio eletrônico e pode ser efetuada a qualquer tempo. Portanto, recomendamos que o envio seja feito até o dia 31 do mês subsequente ao de referência.

ICMS –

Documentos fiscais emitidos em via única –

Arquivo digital

Dezembro/

2016

ICMS – Processamento de dados – Transmissão eletrônica de informações constantes em documentos fiscais emitidos em via única

 

Os arquivos mantidos em meio eletrônico com informações constantes em documentos fiscais emitidos em via única (Nota Fiscal de Serviço de Comunicação, modelo 21, Nota Fiscal de Serviço de Telecomunicações, modelo 22, e qualquer outro documento fiscal relativo à prestação de serviço de comunicação e ao fornecimento de energia elétrica ou de gás canalizado) deverão ser transmitidos ao Fisco mediante acesso ao endereço eletrônico www.fazenda.sp.gov.br, até o último dia do mês subsequente ao período de apuração.

 

Nota

 

O parágrafo único do art. 210 do Código Tributário Nacional (CTN) estabelece que os prazos só se iniciam ou vencem em dia de expediente normal na repartição em que deva ser praticado o ato. Essa obrigação é cumprida por meio eletrônico e pode ser efetuada a qualquer tempo. Portanto, recomendamos que o envio seja feito até o dia 31 do mês subsequente ao de referência.

ICMS

Novembro/

2016

Contribuintes optantes pelo Simples Nacional – Diferencial de alíquotas

 

Recolhimento do imposto correspondente à diferença entre a alíquota interna e a interestadual, pelos contribuintes optantes pelo Simples Nacional, por meio de guia de recolhimentos especiais, relativo à entrada de mercadoria destinada a industrialização ou comercialização, a uso ou consumo ou a integração no Ativo Imobilizado e remetida por contribuinte localizado em outro Estado ou no Distrito Federal, na hipótese em que a alíquota interestadual seja inferior à alíquota interna.

ICMS

Novembro/

2016

Contribuintes optantes pelo Simples Nacional – Substituição tributária

 

Recolhimento do imposto devido na condição de sujeito passivo por substituição tributária, pelos contribuintes optantes pelo Simples Nacional.

ICMS – Taxa

Anual de

Serviços

Eletrônicos

2017

Taxa Anual de Serviços Eletrônicos

 

Opção pelos contribuintes enquadrados no Regime Periódico de Apuração (RPA), com final de inscrição estadual 0, 1, 2 ou 3, pelo recolhimento da taxa anual única, em substituição à cobrança das taxas previstas na Lei nº 15.266/2013, Anexo I, Tabela III, Subitem 3.2, nos termos da Portaria CAT nº 22/2004.

Dia 01 (quarta-feira)

Obrigação

Fato Gerador

Informações Complementares

ICMS –

Scanc

Janeiro/

2017

Transportador revendedor retalhista (TRR)

 

Entrega das informações relativas às operações interestaduais com combustíveis derivados de petróleo ou com álcool etílico carburante através do Sistema de Captação e Auditoria dos Anexos de Combustíveis (Scanc).

ICMS –

Scanc

Janeiro/

2017

Importador

 

Entrega das informações relativas às operações interestaduais com combustíveis derivados de petróleo ou com álcool etílico carburante através do Sistema de Captação e Auditoria dos Anexos de Combustíveis (Scanc).

Dia 02 (quinta-feira)

Obrigação

Fato Gerador

Informações Complementares

ICMS –

Scanc

Janeiro/

2017

Importador

 

Entrega das informações relativas às operações interestaduais com combustíveis derivados de petróleo ou com álcool etílico carburante através do Sistema de Captação e Auditoria dos Anexos de Combustíveis (Scanc).

ICMS –

Scanc

Janeiro/

2017

Contribuinte que tiver recebido o combustível de outro contribuinte substituído

 

Entrega das informações relativas às operações interestaduais com combustíveis derivados de petróleo ou com álcool etílico carburante através do Sistema de Captação e Auditoria dos Anexos de Combustíveis (Scanc).

Dia 03 (sexta-feira)

Obrigação

Fato Gerador

Informações Complementares

ICMS

Janeiro/

2017

Refinador de petróleo e suas bases

 

Recolhimento do imposto retido por substituição tributária, correspondente a 80% do seu montante.

ICMS

Janeiro/

2017

Refinador de petróleo e suas bases

 

Recolhimento do imposto decorrente de operações próprias, correspondente a 95% do seu montante.

ICMS

Janeiro/

2017

Recolhimento do imposto pelos contribuintes enquadrados nos seguintes códigos de Classificação Nacional de Atividade Econômica (CNAE): 19217, 19225, 19322, 35115, 35123, 35131, 35140, 35204, 46818, 46826, 53105 e 53202.

ICMS –

Scanc

Janeiro/

2017

Importador

 

Entrega das informações relativas às operações interestaduais com combustíveis derivados de petróleo ou com álcool etílico carburante através do Sistema de Captação e Auditoria dos Anexos de Combustíveis (Scanc).

ICMS –

Scanc

Janeiro/

2017

Contribuinte que tiver recebido o combustível exclusivamente de contribuinte substituto

 

Entrega das informações relativas às operações interestaduais com combustíveis derivados de petróleo ou com álcool etílico carburante através do Sistema de Captação e Auditoria dos Anexos de Combustíveis (Scanc).

Agenda Tributária – Federal (Período de 28.01.2017 à 03.02.2017)

Dia 31 (terça-feira)

Obrigação

Informações Complementares

IPI – Fabricantes de produtos do

Capítulo 33 da TIPI

Prestação de informações pelos fabricantes de produtos do Capítulo 33 da TIPI (produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumes) com receita bruta no ano-calendário anterior igual ou superior a R$ 100 milhões, constantes do Anexo Único da Instrução Normativa SRF no 47/2000, referentes ao 6o bimestre/2016 (novembro-dezembro/2016), à Unidade da Receita Federal do Brasil (RFB) com jurisdição sobre o domicílio da matriz.

Simples Nacional (Parcelamento Especial)

Pagamento do parcelamento especial para ingresso no Simples Nacional, de que trata o art. 79 da Lei Complementar nº 123/2006, dos seguintes débitos:

– Imposto sobre a Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ);

– Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), observado o art. 13, § 1º, XII, da Lei Complementar nº 123/2006;

– Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSL);

– Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins), observado o art. 13, § 1º, XII, da Lei Complementar nº 123/2006;

– Contribuição para o PIS-Pasep, observado o art. 13, § 1º, XII, da Lei Complementar nº 123/2006;

– Simples Federal (Lei nº 9.317/1996);

– Receita Dívida Ativa.

(Arts. 1º e 7º da Instrução Normativa RFB nº 902/2008, com as alterações da Instrução Normativa RFB nº 906/2009)

%name No Jornal CPA da próxima 3ª feira, será abordado o tema “Redução de base de cálculo para produtos alimentícios e perfumaria – Novas regras para 2017”

As opiniões emitidas em artigos assinados são de inteira responsabilidade dos autores. As jurisprudências divulgadas neste Informativo demonstram as decisões proferidas pelos órgãos julgadores nos casos concretos, devendo ser observadas somente pelas partes envolvidas.

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Pular para a barra de ferramentas